Willian Rocha afirma: “Nós vamos lutar pelo acesso até o fim”

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O Guarani treinou nesta quarta-feira (16) em preparação para a partida contra o Santa Cruz, no próximo sábado (19), às 16h30, no Brinco de Ouro, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B e o zagueiro Willian Rocha, que retorna de lesão, concedeu entrevista coletiva à imprensa presente no Brinco.

Willian começou falando sobre a expectativa de ser titular na partida de sábado: “A expectativa existe. Venho trabalhando forte durante essas últimas semanas. Essa contusão não estava nos meus planos principalmente por acontecer em um momento de crescente. Acredito que nada acontece por acaso. Mas agora estou voltando e fico na expectativa. Se for pra ser titular estou pronto e se for pra ajudar do banco de reserva também estou pronto. A gente chegou em um momento da competição que vamos precisar de todos. Acredito que as energias positivas ajudam também dentro de campo”, afirmou.

Willian reconheceu o momento de críticas e afirmou saber da responsabilidade: “Com certeza sei do momento que vivemos. Nós éramos líderes quando entrei em uma partida e a zaga não era contestada. Naquele momento o Vadão preferiu trocar por conta do cansaço e eu consegui com meu futebol e com meu trabalho mostrar pra ele que poderia ser titular, tanto é que isso aconteceu. Porém acabei me lesionando. Agora pego o time totalmente no oposto. Sei que se não corresponder também sofrerei críticas, todos que entrarem vão ter a mesma responsabilidade. A partir do momento que você entra, tem que dar conta do recado. O momento é de união”, explicou.

O zagueiro também comentou sobre possíveis mudanças na equipe: “É difícil eu falar, acredito que a gente tem uma comissão técnica muito capacitada para definir isso. Eu sou apenas mais um membro dessa engrenagem. Acredito que cabe ao Vadão, que tem competência de sobra para dizer se é momento ou não de mudar. Acredito que vamos precisar de todos porque como eu disse, energia positiva faz diferença. Não adianta estar de fora torcendo para o amigo ir mal para voltar a equipe. Independente de quem ele escolher, quem ficar no banco ou até mesmo fora da relação, tem que estar com o mesmo pensamento para voltarmos a vencer e pontuar”, disse.

“Eu acho que no futebol não tem momento de “passar a mão na cabeça”. Acaba o jogo nós já temos que se preparar para o próximo. Acho que somos adultos, somos conscientes do que temos que fazer e não é momento disso não. Eu cobro bastante mas também deixo meus companheiros cientes que podem cobrar de mim. Os erros vão acontecer, é normal, mas se a gente deixar passar pode piorar. Não tem essa não. Outro dia estive conversando com o Evandro e ele me falou exatamente sobre isso. É todo mundo correndo pelo pão de cada dia. A partir do momento que estamos fechados é isso aí. Dentro de campo tem que ter cobrança mas fora dele somos pessoas normais, temos respeito um pelo outro. Se o meu pai estiver do outro lado eu vou pra cima dele e em casa a gente se entende”.

Por fim, Rocha falou sobre a situação enfrentada pela equipe alviverde: “Eu particularmente tenho minha opinião que o grupo é muito forte para pensar em z4, nesse momento não quero e não vamos pensar nisso. O campeonato nos deu possibilidade de pensar grande e depois de uma série de resultados que não esperávamos pensar que 45 pontos esta bom, eu sinceramente não acredito nisso e reitero que o grupo é muito bom para pensar assim. Quem já esteve em primeiro não pode pensar assim. Nós vamos lutar pelo acesso até o fim. Acho que estamos em um momento ruim mas temos possibilidade de voltar pontuar e estar no G4 novamente”, finalizou.

 

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email