Comunicados Destaque

Fumagalli completa 300 jogos pelo Guarani

Confira a entrevista exclusiva com o ídolo alviverde

Por Guarani Futebol Clube
Publicado em 15/02/2018, às 16:07.

…

O que significa um ídolo para uma torcida?  Seria um líder ? Um craque? Um maestro? Um gênio? Um mito?  Fumagalli no Guarani é tudo isso.  Ainda assim, faltam adjetivos para o maior ídolo da história recente do Bugre . Na noite da última quarta-feira (15), diante do XV de Piracicaba, o capitão alviverde chegou a marca de 300 jogos com a camisa do Guarani e marcou ainda mais seu nome na história bugrina.

Nascido em Monte Alto, no interior de São Paulo,  Fumagalli tem três passagens pelo Guarani. O meia chegou ao Bugre em 2000 proveniente do Santos. Em sua primeira passagem, entre 2000 e 2001, foram 93 jogos e 28 gols marcados. A primeira passagem foi interrompida em 2002. Negociado com o Corinthians, o meia retornaria ao Guarani apenas 10 anos depois para colocar-se de vez na história do clube.

Em seu retorno foram 38 jogos, 12 gols marcados e o vice-campeonato  paulista em 2012. A passagem foi novamente interrompida com um empréstimo para o Santa Cruz – PA. Mas dessa vez por pouco tempo. Fumagalli retornou em 2013 para beter recordes com a camisa do Alviverde. São, até o momento, 169 jogos, 49 gols marcados e o vice-campeonato brasileiro da Série C . Em contato com o Departamento de Comunicação, o capitão passou a limpo sua história com a camisa Bugrina.

Confira a entrevista

MOMENTOS DIFÍCEIS
Fumagalli: “Foram muitos momentos difíceis. Eu nunca quis abandonar porque me tornei um torcedor do Guarani. Eu sabia que podia representar o sentimento do torcedor dentro de campo. Eu também sabia que na parte técnica poderia ajudar e por isso permaneci. Fiquei aqui no momento difícil e espero deixar o Guarani na Série A do Paulista. Tenho certeza que vamos conseguir concretizar esse meu sonho”, disse.

CARINHO COM O TORCEDOR
Fumagalli: “Como eu sempre falo, eu não nasci bugrino mas com certeza vou morrer bugrino. Eu acho que no meu retorno em 2012, naquela campanha do Paulista, acho que Fumagalli, torcida e Guarani se entenderam muito bem. Meu filho acabou nascendo aqui dentro do Guarani, em todos os momentos dificeís a torcida sempre me apoiou, sempre me incentivou e eu acabei me tornando um torcedor do Guarani dentro de campo. Acredito que esse sentimento fez com que eu quisesse permanecer. Eu tenho um carinho muito grande, minha família também, e hoje eu faço parte da família bugrina. Procuro ajudar dentro de campo, futuramente quem sabe na parte de fora. Mas o principal para conquistar esse carinho, acredito que deu-se pelo fato de não abandonar no momento difícil. Isso fez com que o torcedor me respeitasse e eu mais ainda”, explicou.

300 JOGOS
Fumagalli: “Representa muito completar essa marca por um clube que eu amo, que sou torcedor e que vou levar pro resto da minha vida. Acredito que é um momento difícil pra mim por estar perto de encerrar a carreira mas estou fazendo tudo que posso. Quando terminar a carreira vou poder falar que  fiz o que pude para ajudar o clube,e  em nenhum momento deixei de correr, de me dedicar, sei que está chegando o final e completar essa marca é marcante e gratificante”, afirmou.

APOSENTADORIA
Fumagalli: “Quem sabe terminar a carreira com um acesso. Com certeza seria a forma perfeita. Eu decidi permanecer nesses quatro meses de A2 porque vi que é possível alcançar esse objetivo. Tenho jogado menos, mas não tenho deixado de contribuir, de ajudar e incentivar meus companheiros. Completar 300 jogos, conquistar o acesso, quem sabe chegar ao título seria um presente de Deus para mim para fechar minha história vitoriosa aqui com chave de ouro”.

DÉRBIS
Fumagalli: “Eu tenho um histórico muito positivo em dérbis, acredito que só perdi um em 2013 e mesmo assim ainda fiz gol. Mas tenho momentos maravilhosos como a semifinal do Paulista de 2012, aquele que fiz de pênalti no final. E nesse episódio eu lembro que fomos recebidos pela torcida, eles invadiram  o vestiário comemorando muito. Aquele momento nunca saiu da minha memória. E o dérbi de 2001 que acabamos dançando a valsa dentro do campo e eu acabei fazendo um gol no rebote do goleiro. Acredito que foram esses que ficaram marcados na minha trajetória e na minha memória”, contou.

CONSIDERAÇÃO
Fumagalli: “Eu não me arrependo de nada. Sempre me entreguei muito pelo Guarani, abri mão da minha família pelo Guarani e eu tenho a consciência tranquila porque sempre fiz o que esteve ao meu alcance. Sempre procurei dar meu máximo para fazer um Guarani muito vitorioso”.

GRATIDÃO
Fumagalli: “Sou eternamente grato pelo torcedor Bugrino. Por onde eu passo eu sou muito respeitado, sinto o carinho deles e nesses 300 jogos foram muito mais alegrias do que tristezas, muito mais aplausos do que vaias. Gosataria de agradecer do fundo do meu coração. Se eu pudesse abraçar todos eu faria. Sintam-se abraçados. E espero nessa reta final de carreira dar minha contribuição e ajudar o Guarani a voltar a Série A para fechar minha carreira com chave de ouro. Vamos continuar incentivando, lotando o o Brinco, fazendo dele um verdadeiro caldeirão para colocar o Guarani na A1, lugar que ele nunca deveria ter saído”, finalizou.